Batataense lidera o ranking ABQM como melhor Amazona

O cavalo é a vida de Gabriela Alves Pimenta, 28 anos. “O cavalo é a minha paixão, profissão, lazer. Na verdade, hoje eu vivo cavalo e amo o que faço”, conta a competidora de Batatais/SP, do Rancho Fazenda Nova Era. Agropecuarista, seu primeiro contato com cavalos foi aos dois anos de idade e a primeira prova que fez na vida foi de Team Penning.

Morando em sua cidade natal, Batatais, ela divide sua paixão com o pai Luís Sérgio Barbosa Pimenta, a mãe Luciana Silva Alves Pimenta, a irmã Rafaela Alves Pimenta Gomes e com a filha Maria Valentina Alves Lelis Gregório. Confira um pouco do que Gabi conta sobre sua trajetória nessa entrevista super bacana que fizemos com ela!

Como tudo começou?

Gabriela: Meu primeiro contato com cavalos foi na fazenda dos meus pais, na cidade de Batatais, onde nasci e moro, quando eu tinha dois anos de idade. Para eu poder dormir, acabava indo em cima do cavalo todos os dias com os peões da fazenda. Meus pais contam que o único jeito de eu adormecer era em cima de um cavalo. Fiz minha primeira prova com 13 anos, em 2003, também em Batatais, era de Team Penning.

E como foi crescer nesse meio?

Gabriela: O que mais me chamou atenção quando comecei a competir foi o cavalo Quarto de Milha e que era um esporte que envolvia toda a família. Me encantei com esse lado do Team Penning proporcionar que a gente faça prova junto com a família, além de eu gostar muito da lida com gado no campo. Então, posso unir as duas coisas dentro da pista. Apesar que hoje, por causa dos handicaps que tem no Team Penning, complicou um pouco correr com todo mundo lá de casa.

Tem alguém que você se espelha?

Gabriela: Sim. Hoje estou no processo de separação no meu casamento, mais me inspiro muito no meu marido Vinicius Lelis como treinador.

E como é a sua rotina?

Gabriela: Eu moro no rancho, então vivo dia a dia com meus cavalos. Treino quase todos os dias e quando tem competições, chego a treinar três vezes por dia em cavalos diferentes. Os principais campeonatos que participo são pela ABQM: Congresso Brasileiro, Campeonato Nacional, Potro do Futuro e Copa dos Campeões, e provas oficializadas pela ABQM.

Quais os cavalos que você compete hoje?

Gabriela: Os cavalos que mais corro são Dual Hickory Doc EK, que acabou de ganhar o SuperHorse do Congresso 2018, All Bee Bars FSC, Jay Bee Good MN, Turnin Olena Cat e Cinderela Lady Dual.

Como você procurou aprender mais sobre a modalidade, como melhorou sua técnica?

Gabriela: Me apaixonei pela modalidade e investi muito na compra de animais, nas instalações do rancho. É muito treino, todo dia, sempre. Cheguei abandonar a faculdade de Veterinária para poder ficar mais livre para treinar.

E os principais títulos?

Gabriela: Barretos 2010, Congresso, Nacional, Copa dos Campeões, Potro do Futuro. De premiação, são, nove carros e 26 motos.

Qual prova mais te marcou até hoje?

Gabriela: Foi Barretos 2010, quando ganhei estava grávida de quatro meses da minha filha Maria Valentina, e a 1ª prova em Patrocínio de Minas, quando ganhei dois carros em um único evento e ainda machuquei, porque a égua caiu comigo. Quebrei o joelho e ainda consegui correr a final machucada.

Gabi em Barretos

Algum cavalo que você se recorda com carinho?

Gabriela: O cavalo que mais me marcou foi o Jay Bee Good MN, que hoje está com 23 anos, aposentado e só a Maria Valentina compete nele ainda. Gganhei muitos prêmios e foi um dos melhores cavalos de Team Penning do Brasil. Com toda certeza, sem medo de errar, o melhor cavalo que já montei até hoje. Temos uma ligação muito forte, um amor sem explicação um pelo outro. Até me emociono de falar dele.

Hoje ele vive no meu rancho como um príncipe. Tem seu piquete, com uma cocheira para entrar e sair quando quiser, e uma alimentação balanceada. O piquete é em frente de casa e quando acordo a primeira coisa que vou ver é se ele está bem.

Eu hoje estou competindo no Dual Hickory Doc EK, também estamos fazendo história. É o filho do Smokin Duehickey mais pontuado do Brasil e já ganhou duas vezes seguidas o prêmio SuperHorse da ABQM (Nacional 2017 e Congresso 2018).

Por Luciana Omena
Site Cavalus

COMPARTILHAR